Djalma Argollo

Djalma Argollo
Terapeuta Junguiano

quarta-feira, 11 de junho de 2014

A História do rato saltador (final)

- Por favor, irmão lobo – disse Rato Saltador – Por favor, ouça-me. Eu sei o que pode curá-lo. E um de meus olhos. E quero dá-lo a você. Você é um ser maior que eu. Eu sou apenas um rato. Por favor, tome-o.
Mal o rato disse essas palavras, seu olho saiu de sua cabeça e o lobo ficou bom.
Lágrimas caiam pelas bochechas do lobo, mas seu irmãozinho não podia vê-las, pois agora estava cego.
Você é um grande irmão – disse o lobo. – Agora tenho minha memória, mas agora você está cego. Eu sou o guia para as Montanhas Sagradas. Eu o levarei até lá. Lá há um grande lago medicinal. O lago mais belo do mundo. O mundo inteiro está refletido ali. As pessoas, as habitações das pessoas, e todos os seres das pradarias e dos céus.
- Por favor, leve-me até lá – disse o Rato Saltador.
O lobo conduziu-o através dos pinheiros até o lago medicinal. Rato Saltador bebeu a água do lago. O lobo descreveu-lhe toda a beleza do lugar.
- Agora tenho de partir – disse o lobo –, pois preciso retornar para que possa guiar os outros, mas permanecerei com você sempre que desejar.
- Obrigado, meu irmão – disse Rato Saltador – Mas embora eu esteja assustado por estar sozinho, sei que você deve partir para mostrar aos outros o caminho para este lugar.
Rato Saltador sentou-se, tremendo de medo. Não adiantava correr, pois ele estava cego, embora soubesse que uma águia o encontraria ali. Sentiu uma sombra às suas costas e ouviu o ruído que fazem as águias. Preparou-se para o choque. E a águia atacou! Rato Saltador adormeceu.
Quando despertou, a surpresa de estar vivo foi grande, mas agora ele estava enxergando!
Tudo estava indistinto, mas as cores eram belas.
 - Posso ver! Posso ver! – disse Rato Saltador.
Uma forma enevoada aproximou-se de Rato Saltador. Ele tentou enxergar melhor, mas continuou vendo uma mancha apenas. Olá irmão, disse uma voz. – Quer um pouco de feitiçaria?
Feitiçaria para mim? – perguntou Rato Saltador. – Sim! Sim!
- Então, abaixe-se o mais que puder – disse a voz – e salte o mais alto que conseguir.
Rato Saltador obedeceu às instruções. Agachou-se o máximo e saltou! O vento colheu-o e levou-o para o alto.
- Não tenha medo – disse a voz. – Agarre-se ao vento e tenha confiança!
Rato Saltador obedeceu. Fechou os olhos e agarrou-se ao vento, que o levou mais e mais para o alto. Rato Saltador abriu os olhos e eles estavam límpidos, e quanto mais alto ele subia, mas límpidos tornavam-se seus olhos. Rato Saltador viu seu velho amigo sobre um canteiro de lírios no belo lago medicinal. Era o sapo.
- Você tem um novo nome – disse o sapo – Você é uma Águia!

Versão publicada em A Sabedoria do Mundo, de Philip Novak

Nenhum comentário:

Postar um comentário